domingo, 15 de outubro de 2017

Reunião da Assembleia Municipal de 22.09.2017

A 22 de Setembro reuniu-se a Assembleia Municipal em sessão ordinária. Em plena campanha eleitoral e a anteceder um debate entre quatro candidatos à Câmara Municipal para o mandato de 2017-2011. Foi, como previa, a minha última participação - como eleito! - no orgão deliberativo onde estive nos mandatos de 1982-85, 1997-2001, 2005-2009. 2009-2013 e 2013-2017. Penso ser compreensível alguma emoção num ser humano que não se esvaziou de afectos (bem pelo contrário). Aqui fica o registo para a acta das intervenções feitas... com a certeza que usarei, enquanto tiver forças, os meus direitos/deveres na democracia minguadamente participativa para que me orgulho de ter contribuído e de continuar a contribuir.







COMUNICAÇÃO DO PRESIDENTE DA CÂMARA

Senhor Presidente da Câmara, 
quero, nesta última sessão do mandato 2013-2017, e na oportunidade e circunstância desta sua comunicação escrita, cumprimentá-lo pela correcção e sobriedade dessa comunicação.
Aproveito para juntar a expressão da minha satisfação pelo modo como correu a edição do Festival de Setembro no nosso emblemático centro histórico, graças ao denodo e colaboração de todo o pessoal da Câmara, permitindo-me destacar a discreta e eficaz coordenação da dra. Ana Saraiva, e à participação de alguns dos nossos concidadãos que muito contribuíram para o objectivo de valorizar aquele espaço que nos é tão querido, tornando-o vivo, cultural e de lazer.
Apenas lamento a falta de cooperação do vento. Para o próximo ano, há que fechar algumas portas e portadas….
A propósito de portas e portadas, diria que se fechou o mandato com chave de ouro, deixando de fora o período eleitoral, perturbador pela maneira como alguns o interpretam! Mas isso fica, ou deveria ficar, fora destas portas.
 _______________________________________ 
DECLARAÇÃO

Exma. Senhora Presidente da Mesa da Assembleia Municipal, demais membros da mesa, Senhor Presidente da Câmara e vereadores, Comunicação Social presente, por fim – mas por não por últimos – público presente… e ausente.

Caros companheiros deste mandato que ora termina, em que incluo a dra. Ana Paula.
 Quero, nesta última sessão do mandato, saudar-vos a todos e agradecer, como munícipe que sou…, agradecer a todos o trabalho de representação de todos nós, agradecer apesar de tanto que nos separa e do muito ou pouco que cada um fez, convicto como estou que cada um – certo ou errado, segundo os outros – o fez de boa fé e ao serviço da gente que somos.
Permito-me uma saudação particular e pessoal a quem teve a espinhosa tarefa de organizar e conduzir os trabalhos, com quem tantas vezes estive desalinhado…, e que termina, com esta sessão, os seus mandatos longos de décadas como deputada municipal e presidente da Mesa. Obrigado, professora Deolinda Simões, sempre simpática companhia nesta sua tarefa.

Também eu queria que esta fosse a minha última sessão. Poderão as circunstâncias (muito pouco prováveis!...) levar a que aqui volte. Mas, à cautela…, despeço-me com um abraço que envolva todos, e podem estar certos que acompanharei enquanto puder, atento e crítico, os que continuarem este nosso serviço público.

Confesso, por fim, que esta despedida se tornou mais fácil pois a absorção das tarefas de uma candidatura que pessoalmente não desejei mas que assumi inteiramente me levou – por momentos – a afastar-me das questões de ordem geral, do estado do mundo para que habitualmente vos pretendia alertar e – talvez… - massacrar. E se esse estado do mundo exige todos os cuidados do mundo! Não só meus, evidentemente. De todos, de cada um de nós. Pela Paz.

Até sempre, vizinhos, conterrâneos, companheiros.


quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Comunicado 12




CDU – autárquicas de 2017

COMUNICADO nº 12

Ainda no mês de Julho, a CDU-Ourém iniciou esta série de comunicados com a intenção de contribuir para informar os oureenses sobre alguns aspectos que pareceram mais oportunos, e de esclarecer porque e com quem se candidatava à Assembleia Municipal, à Câmara e a 8 das 13 assembleias de freguesia como representantes de todos nós. Este seria o 12º comunicado e, como todos os outros, seria de responsabilidade colectiva. Mas quis o 1º da lista à Câmara, após os debates e entrevistas que protagonizou, fazer uma declaração sob a forma de carta aberta e pública. Ela preencherá este último comunicado, e é de sua exclusiva autoria e responsabilidade.

__________________________








Carta aberta aos conterrâneos

Caros vizinhos,
            Esta não é primeira vez que vos escrevo uma carta aberta e pública. A primeira foi em 1976, só então possível. Há 41 anos, nas primeiras eleições autárquicas! Esta será, muito provavelmente, a última.
Pela 11ª vez me apresento como candidato a vosso representante nos órgãos do Poder Local democrático, como tinha o direito e achei que tinha o dever de o fazer. Sempre o fiz e faço com o único intuito de vos representar e lutar pelo que considero ser o vosso interesse como habitantes desta terra que estimo como nossa. Em 5 mandatos – e apesar de tudo… – as listas em que estava incluído mereceram os votos necessários para que eu tivesse sido membro da Assembleia Municipal. Procurei representar-vos respeitando os compromissos assumidos e com o que tanto prezo: a lealdade e a coerência. Muitos erros terei cometido na minha já longa vida mas nunca poderei ser acusado de ter procurado enganar alguém com falsas promessas e em proveito próprio.
Não apelo ao vosso voto. Não faço apelos a votos na CDU, no Partido de que sou militante há 60 anos, muito menos faço apelos a que votem em mim.Convoco-vos a que tomem posição informada, a que votem onde vos ditar a consciência, a que participem na definição dos rumos que devem ter as nossas vidas.
As saudações de um vizinho















quarta-feira, 27 de setembro de 2017

O debate (adiado de 06.09) do médio-tejo.net


Foi o 3º e último debate "a 4". Quanto a mim, que protagonista tive de ser, o menos conseguido de todos. Porque havia um roteiro  que não foi seguido (roteiro que deveria ter servido para a preparação... e no meu caso serviu, diria que inutilmente), porque a dupla de jornalistas não se articulou e pouco ou nada disciplinou o debate, porque se estirou por tempo demasiado, porque se repetiu e cansou...
Que, para além da crítica (e auto-crítica) teria tido a virtude de tornar mais evidente a DIFERENÇA que é a candidatura CDU, particularmente no que se chamou "apelo ao voto", apelo que nos recusamos a fazer por corresponder à personalização do que é (ou deveria ser) projecto colectivo, de equipa, por não apelar ao voto esclarecido, consciente, mas no voto... em mim!

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Debate dos candidatos na Antena 1

Estranhamente (?), as forças políticas que concorrem às autárquicas em Ourém que enchem paredes e facebooks parecem ter colocado num plano secundário ou subalterno os debates. Terá a ver com o critério de valorização absorvente (ou autista) da "caça ao voto". Discutir com os "outros", debater, encontrar pontos de desacordo e de acordo POR OURÉM não renderá tanto como a imagem de impacto, os "casos", o calor das falsa questões, a algazarra vácua e por vezes insultuosa.
Pois a realização do debate nacional, na rádio pública, sobre as autárquicas em Ourém, ao lado dos debates realizados com os candidatos da capitais de distrito fez-se, e importa referi-lo e reflectir sobre ele. Não "caçará votos" mas servirá (?) para informar, para esclarecer cidadãos sobre como e onde está Ourém, quem são e como pensam os propostos a representantes do "povo de Ourém" no seu Poder Local. Servirá pouco, será ínfima a importância eleitoral no "barulho das luzes" mas terá valido a pena para algo ficar do que é mais importante.
   
Ouça a gravação do debate de hoje, na Antena 1, dos cabeças de lista à Câmara  Municipal de Ourém.

Comunicado11 e OURÉM hoje no debate de Antena 1 (RDP) às 15 horas




CDU – autárquicas de 2017
COMUNICADO nº 11

Depois das apresentações dos 1ºs das listas da CDU-Ourém à Assembleia Municipal e à Câmara e da lista à AF de Fátima, e de outras acções desta campanha eleitoral DIFERENTE, foi feita a apresentação da lista à AF da N.S. da Piedade, que tem como 1º nome António Lains Galamba que, ao seu estilo, fez uma bela intervenção que só com dificuldade se não transcreve na íntegra (é possível ler no facebook):

“Tenho-vos diante e seria, talvez, fácil de cumprir o que de mim esperam, se apenas fosse minha obrigação ditar-vos as nossas propostas para a nossa terra. O nosso projecto que faz de nós, comunistas e ecologistas, gente diferente na dignidade com que cumprimos a cidadania. Seria fácil papaguear o que, de outra forma, vos obrigaria a ler, procurar, investigar.
Contudo, porque são a minha gente na minha terra – ou também a minha terra, conquanto seja hoje não apenas o menino que se habituaram a ver brincar nestes jardins feitos calçada mas também o alentejano de estaca – quero falar-vos menos daquilo que nos distingue e mais daquilo que nos faz dignos da humanidade que transportamos.
Sou filho da burguesia. Decadente, é certo, mas da burguesia. A minha infância não foi de faltas e ausências como o foi a de muitos meninos com que brinquei e amei.
Muitos de vós (se não todos!) terão de mim, antes da distância que nos trouxe Lisboa e a minha faculdade, a imagem do miúdo activo da JS. Não nego, antes me orgulho, dos bons e irrepetíveis momentos de camaradagem e amizade que passei naquela estrutura partidária. Sem embargo, cedo soube ser um homem de esquerda desalinhado com o rumo daquele partido. Formatado pelo «amplamente difundido» e tendo como tal a verdade, também não me revia nos «crimes horrorosos» do comunismo. Entrei na faculdade e abandonei a JS. Mas estava, sentia-o, órfão de uma casa para partilhar o colectivo que, primatas, sempre ambicionamos.
(…)
Conheci o analfabetismo político, estou por isso em condições de o combater. Conheci a solidão do individuo, partilho pois, hoje, de mim melhor que nunca.
Comigo, trago operários, camponeses, assalariados agrícolas do Alentejo não muito diferentes, na condição, das gentes de Ourém (que vivem à conta da sua força de trabalho) – ainda que em tempos diferentes de aparente transformação. (…) Comigo, como com todos os comunistas, está a força (a dignidade e a coragem, como me disse, num prefácio que fez a um livro meu José Casanova) transformadora do sonho. De homens e mulheres que não estão na politica para dela se servir mas sim para servirem – com o seu sacrifício – os seus iguais. 
(…)
Este é, pois, o linho em que me teço. Com que se tecem os homens e mulheres, gente boa, que ingressando na lista que hoje e aqui apresentamos, têm apenas um compromisso: defender o lado certo da história, porque nele habitam a maioria, exército de excluídos pelo capitalismo e pela sua exploração.
As nossas propostas – autárquicas, para o caso – estão escritas. E nós somos gente de palavra! Palavra! Palavras belas e verdadeiras, como a dignidade e coragem, do meu amigo de que hoje vos falei.”

----o----o----

Entretanto, a 19, começou a campanha eleitoral. A oficial.
A juntar aos muitos questionários e entrevistas a que os nossos candidatos têm dado resposta, vai iniciar-se um ciclo de debates com diferentes promotores, entre os cabeças de lista à Câmara Municipal:
- na 5ª feira, 21, na RDP-antena 1, às 15 horas nos estúdios da RTP, em Coimbra, com transmissão directa;
- na 6ª feira, 22, às 21 horas (com público) na Escola Profissional de Ourém, promovido pelo Jornal de Leiria;
- na 3ª feira, 26, às 21 horas (com público) também na EPO, promovido pelo jornal digital médio-tejo.net.

E, naturalmente, procurarão intensificar-se os contactos e um fecho de campanha com uma sessão sempre com intenção de esclarecer as nossas posições e contrariando o dispendioso espectáculo e promessas vazias.


quarta-feira, 13 de setembro de 2017

COMUNICADO 10

CDU – autárquicas de 2017
COMUNICADO nº 10

ßß      No enunciado de pontos de referência de PROPOSTAS (sucintos pois a sua explanação só é possível no conhecimento de situações a que a CDU está alheia e após participação real das populações), é necessário afirmar claramente que, no plano autárquico, a cidade de Fátima (e de certo modo a freguesia urbana da Senhora da Piedade) tem de ser vista como parcela integrada e mobilizadora de equilibrado desenvolvimento, não como corpo estranho no todo municipal, nunca como pólo agravador de desigualdades.
Propostas da CDU-Ourém (algumas e sucintas)
   Avançar, no quadro de um plano de urbanização da freguesia da Piedade, com a requalificação da “avenida” e vias de circulação no interior e circulares da cidade
   Defender a melhoria do ambiente e a salvaguarda do património cultural, nomeadamente na vila medieval
   Estabelecer relações de cooperação com o Santuário relativamente á gestão autárquica de Fátima
   Concretizar o projecto de extensão de saneamento básico a todo o concelho
   Potenciar a riqueza de uma floresta ordenada, facilitando assim a fixação das populações, com especial incidência nas freguesias do norte do Concelho.
   Apoiar a formação de associações de proprietários florestais, particularmente nas zonas mais afectadas ou com riscos de incêndios
   Reforçar a cooperação com a ZIF de Seiça (Zona de Intervenção Florestal), estimular o seu alargamento.
   Melhorar a mobilidade pedonal, nas povoações e nos caminhos para Fátima
   Acompanhar o desenvolvimento de iniciativas empresariais, nomeadamente em novas áreas de investimento
   Apoiar o movimento associativo
   Exigir a reposição das freguesias extintas, com a participação e o acordo da vontade popular, e reforçar papel das freguesias no órgão deliberativo
   Defender a gestão pública da água como bem público
   Tomar posição em favor dos serviços públicos e do acesso à saúde, à educação, à protecção social, à habitação e à mobilidade
   Valorizar a situação dos trabalhadores da autarquia
   Ponderar e rever a articulação com as empresas municipais
Na continuidade do comunicado nº 9, transcrevem-se as anteriores propostas da CDU-Ourém, pontos de referência para um programa, de que outros se arrogam mas não cumprem. Estes pontos são aspectos suspensos ou de necessária realização, alguns encetados há décadas e há mandatos sucessivos de gestões sucessivas se iniciam ou não, ficam por realizar para comporem promessas programáticas que nunca cumprem objectivos e calendários. Estes pontos serão referências para discutir com as populações e realizar em definidas linhas de forças:
uma POLÍTICA DIFERENTE
com uma ESTRATÉGIA CONCELHIA
no quadro dum ORDENAMENTO TERRITORIAL E DA FLORESTA
através de um PODER LOCAL descentralizado e democrático
exigindo uma atenção particular para o caso de FÁTIMA.
Assim se apresenta a CDU-Ourém, coerente com programas anteriores, de que se destaca o de 2009, no anunciado tempo de mudança que um participado CONGRESSO fez vislumbrar mas de que nem uma página sobrou enquanto se repetem “encomendas” de estudos a gabinetes de consultadoria exteriores, de que se não conhecem resultados.
---0---0---
Com o acórdão do Tribunal Constitucional relativo ao recurso do PS estará, finalmente!, encerrado o processo pré-eleitoral. Seguir-se-á o propriamente (ou impropriamente) dito período eleitoral. Que será evidentemente muito marcado por este preâmbulo que se desejaria ver encerrado. Mas foi sendo criado um ambiente de emotividade, quase de irracionalidade, que se lamenta. O contrário do que deveria ser um tempo de informação, debate sereno, reflexão.
Com o risco de ir contra uma corrente de solidariedade alimentada por afirmações peremptórias e grandiloquentes de se estar face a uma injustiça que assentaria numa armadilhada interpretação da Lei (do que rege a nossa convivência cívica). De novo, e sempre, lamenta-se o tempo ocupado com tal questão, o que, objectivamente, desviou o debate dos temas que importa trazer ao conhecimento e discussão das populações para escolha informada e consciente de quem as deve representar. Desvio que não acontece por acaso.
Que fique claro: a CDU participa em todos os debates e qualquer interlocutor, desde que respeitadas regras e não se contribua para confundir deliberadamente.

terça-feira, 12 de setembro de 2017

(nas) ÚLTIMAS

take da lusa


O Tribunal Constitucional indeferiu hoje o recurso apresentado pelo Partido Socialista confirmando a inelegibilidade do seu candidato à presidência da Câmara de Ourém, no distrito de Santarém, Paulo Fonseca, nas eleições de 01 de outubro.

Na decisão tomada hoje, o Tribunal Constitucional nega provimento ao recurso interposto pelo PS à decisão tomada pelo Tribunal Judicial da Comarca de Santarém - Juízo Cível de Ourém, em 17 de agosto último, e confirmada pelo mesmo tribunal a 24 de agosto, data em que foi rejeitada a reclamação à primeira decisão.
O TC confirma igualmente a decisão de que o lugar de Paulo Fonseca passe a ser ocupado pela número dois da lista, a psicóloga clínica Cília Maria de Jesus Seixo, 55 anos, professora de Filosofia e Psicologia em Fátima, "sendo a lista reajustada pela ordem de precedência dos sucessivos candidatos dela constantes".
MLL // ATR

Lusa/fim

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

COMUNICADO 9





CDU – autárquicas de 2017

COMUNICADO nº 9

A semana a que se reporta este comunicado foi marcada pelo episódio da situação de insolvência do “cabeça de lista à câmara” apresentado pelo PS, pelo correspondente despacho da juíza encarregada de decidir da elegibilidade das candidaturas apresentadas, recurso desse despacho para o Tribunal Constitucional pelo mandatário do PS e pela situação criada relativamente ao agendado debate promovido por médio-tejo.in entre os “cabeças de lista à câmara”. 
Não obstante a disposição da CDU-Ourém (em plena concordância com decisões centrais) de não se imiscuir em tal questão enquanto do foro pessoal em sede de justiça e sua aplicação, as suas inevitáveis implicações políticas obrigaram a tomar posição local, nomeadamente em consequência do debate marcado para 6 e reagendado para 26 de Setembro, após a decisão sobre o recurso do TC. Do que não se pretende a vanglória mas se reivindica o contributo[1].
Lamenta-se o tempo ocupado com tal questão, o que, objectivamente, desviou o debate dos temas que importaria trazer a conhecimento das populações para escolha informada e consciente de quem as deve representar. O que não acontece por acaso ou inocentemente. A CDU participa em todos os debates com qualquer interlocutor, desde que respeitadas regras e não se contribua para confundir deliberadamente.

Entretanto, foi a Festa do Avante!. A festa do jornal do PCP, onde nos encontrámos todos. Diferentes e iguais na solidariedade à volta de um projecto comum. Militantes uns desde há décadas, independentes de organizações partidárias outros. Também alguns de outras forças políticas cujas opções não foram minadas pelos preconceitos que impediriam a convivência, pelo que estiveram em festa naquela Festa.
Depois da Festa, em que a presença de Ourém foi muito significativa e estimulante, retomou-se o trabalho (que, aliás, para alguns, nunca se interrompeu, mas tão-só passou a outras e imprescindíveis tarefas) e avançou-se com o rascunho de “miolo” de texto local para distribuir como programa. Transcreve-se a primeira parte:
Em mais umas eleições autárquicas, a CDU apresenta-se em Ourém. Como alternativa. E, como sempre, DIFERENTE das outras candidaturas!
A CDU, com verdade e transparência, está fora dos “jogos pelo poder”, sem carreirismos, está à margem de situações confusas e de aproveitamentos oportunistas. Apresenta-se, de novo, com a única intenção de representar os trabalhadores e as populações, de estimular a participação de todos na vida social. Como se pode comprovar onde o voto dos eleitores põe a sua gestão autárquica à prova. Gestão que se mostra DIFERENTE, apesar do ambiente e condicionalismos gerais.
Em Ourém é notória a ausência de uma ESTRATÉGIA concelhia. Que é reconhecida e serve de pretexto para afirmações demagógicas, para iniciativas inconsequentes, para “encomendas” a consultorias externos.
Essa indispensável definição estratégica tem de ser, também, contributo para um ORDENAMENTO TERRITORIAL E DA FLORESTA que recentes e dramáticos acontecimentos tornaram exigência urgente.
Para a CDU-Ourém, o objectivo do serviço público para melhor qualidade de vida das populações torna mais evidente a evolução demográfica e social do concelho, no quadro dum PODER LOCAL parte imprescindível de ordenamento político-administrativo.
Por integrar FÁTIMA como freguesia, o concelho de OURÉM exige uma atenção particular dada a muito específica e relevante realidade social que essa sua parcela se tornou em vários aspectos. A evolução demográfica da freguesia de Fátima, no contexto concelhio e nacional, a enormíssima quantidade de peregrinos e a população flutuante, obrigam a articulação que é leviano encarar sem exigente estudo e tratamento no âmbito do poder local e sua gestão, bem para além de aproximações turístico-económicas.
                             seguiráà




    e  http://ouremcdu.blogspot.pt/2017/09/debate-marcado-para-amanha-reagendado.html

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Debate marcado para amanhã reagendado para 26

O jornal digital médio-tejo.in, promotor de debates com os "cabeças de lista a câmaras municipais" de alguns dos concelhos da "sub-região", depois de contactos (com o 1º da lista da CDU-OURÉM após a tomada de posição deste na manhã de ontem, transcrita neste blog e facebook) com representantes das candidaturas que se apresentam em Ourém, editou a seguinte nota da direcção

NOTA DA DIREÇÃO | 
DEBATE EM OURÉM ADIADO PARA DIA 26 DE SETEMBRO
- Set 5, 2017

O debate Autárquicas 2017 que se iria realizar em Ourém esta quarta-feira, dia 6 de setembro, organizado pelo jornal mediotejo.net, foi adiado para o próximo dia 26 de setembro, realizando-se às 21:00, no auditório da Escola Profissional de Ourém (EPO).
A direção do jornal e os representantes das candidaturas entenderam que seria mais benéfico aguardar pela decisão do recurso apresentado pelo candidato do PS, que será conhecido até dia 15. Pedindo desculpa pela alteração de data, o novo dia para a realização deste debate foi hoje remarcado para 26 de setembro, por decisão consensual de todas as candidaturas envolvidas, a quem a direção do jornal agradece a disponibilidade e a celeridade de resposta.

Depois do debate de Alcanena, realizado na segunda-feira, dia 4, o próximo debate realiza-se no Entroncamento, sexta-feira, dia 8 de setembro, às 21:00, no Centro Cultural da cidade.
------------------------------------------------------------------------------------------------

Congratulamo-nos com a decisão. Que o bom senso aconselhava...

terça-feira, 5 de setembro de 2017

"é preciso avisar toda a gente"!

Estava agendado para amanhã, 06.09.2017, o debate em Ourém, na EPO, entre os primeiros das listas para as câmaras dos concelhos do médio-tejo, no quadro dos debates promovidos pelo jornal digital médio-tejo.net.
Face ao imbróglio provocado pela situação pessoal do actual presidente da câmara e proposto como cabeça de lista do PS do foro judicial, e em que esse partido se quis envolver, a CDU-Ourém tomou a seguinte posição junto da organização dos debates:

1.Foi com satisfação que a CDU-Ourém acolheu a notícia da realização de debates promovidos pelo médio-tejo.net entre os candidatos às autárquicas com o muito louvável intuito de que se discutam ideias e propostas, e aceitou o convite de participação de acordo com as regras definidas em reunião realizada em Junho “tida com os responsáveis indicados pelas distritais dos partidos PS, PSD, BE, CDU e CDS-PP(…)”.
2.De acordo com essas regras, explicitava-se e publicava-se que os debates seriam entre “os cabeças-de-lista às diferentes câmaras municipais da região do Médio Tejo (que) não se podem fazer substituir nos debates por outros elementos da lista”.
3.A situação do cabeça de lista apresentado pelo PS em Ourém, e o processo em sede de tribunais (que vem de muito antes da apresentação das candidaturas), a que se juntou um extemporâneo (a nosso ver) acto de impugnação dessa candidatura pela coligação PSD-CDS, vieram criar um delicado problema político em que a CDU-Ourém se não quis imiscuir enquanto no foro judicial.
4.Ora o debate marcado para 6 de Setembro obrigaria a CDU-Ourém a pôr a questão prévia relativamente aos participantes.
5.Perante a situação, a posição cautelar de médio-tejo.net de pedir parecer à CNE, que foi comunicada na preparação do debate, teve duas consequências:
            5.1.A de confirmar inequivocamente a já referida regra.
            5.2.A do parecer vir contrariar a regra definida e acordada ao sugerir ou recomendar a substituição de um debate entre candidatos cabeças de lista por um debate entre representantes de candidaturas.
6.Outra consequência decorrente é a de obrigar, de forma enviezada, a CDU-Ourém a tomar posição não desejada e a participar em discussão que não pretende.
7.A aceitar participar num debate entre “cabeças de lista às câmaras” em que o cabeça de lista apresentado pelo PS em Ourém fosse Paulo Fonseca considera a CDU-Ourém que participaria no desrespeito do despacho judicial de 24 de Agosto último concedendo antecipado (e espúrio) provimento político ao recurso ainda não julgado.
8.O que não se quer fazer!
9.Nestes apertadíssimos prazos, em que se inclui o apertado prazo para o Tribunal Constitucional se pronunciar, desejável teria sido (se possível tivesse sido) adiar o debate para depois de tal pronunciamento, o que, por outro lado, levaria à necessidade de evitar o regresso ou reforço da ainda mais indesejável (pela CDU-Ourém!) centralidade desta questão que parece aproveitada para excluir do debate o que importa discutir: os reais problemas do Poder Local e das populações.
10.Pelo que:
            10.1.De acordo com as regras acordadas e definidas, o cabeça de lista à câmara de Ourém, estará presente antes do início do debate cujas intenções de novo muito se louvam.
            10.2.Não participará nele se quem se apresentar para participar pelo PS não for quem o despacho de 24 de Agosto determinou como cabeça de lista.

            10.3.Se assim vier a ser, reclama-se o direito de, previamente ao início do debate, o cabeça de lista pela CDU poder ler as razões aqui expostas, indo depois ocupar lugar entre os assistentes.

Esta posição foi comunicada a médio-tejo.net ontem de manhã. 
No final do dia, sem ter havido qualquer sinal de recepção, ao acompanhar-se a transmissão em directo do primeiro dos debates realizado em Alcanena, foram os auditores surpreendidos pela seguinte nota no fecho do debate:

«O próximo debate realiza-se na sexta-feira, 8 de setembro no Entroncamento dado que o debate previsto para Ourém vai ser reagendado por imperativos de última hora.»

Sem prejuízo de ulteriores (e fundados) comentários e tomadas de posição, dir-se-ia que se trata de medida sensata, reiterando-se as reservas inerentes à não informação/confirmação - até ao momento - de tal decisão e de quais os "imperativos de última hora".

A CDU-Ourém vê-se obrigada a divulgar atempadamente esta informação ("é preciso avisar toda a gente"!), sobretudo em intenção de quem estivesse mobilizado para acompanhar o debate anunciado.
   

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

COMUNICADO Nº 8






CDU – autárquicas de 2017
COMUNICADO nº 8
INTERVALO?
(para quê?, para quem?)

Enquanto outras campanhas se enovelam em actos e entre-actos, parecem paralisadas na expectativa do que possa vir de fora ou de interpretações e decisões de bastidores, se mostram por festas e feiras, preparam acções de espavento, a CDU-Ourém vai cumprindo o seu roteiro eleitoral com os meios que dispõe, e cumpre os seus objectivos.

No domingo, 27 de Agosto, foi a apresentação da lista de candidatos à Assembleia de Freguesia de Fátima, no mercado local.
O primeiro candidato da lista à Câmara de Ourém fez a intervenção de abertura, começando por breves palavras sobre o significado da apresentação de uma lista em Fátima, pelo que representa a presença da CDU neste lugar de enorme relevância social, e pela necessidade do estudo que ele merece para melhor e mais responsavelmente se agir. Depois, apresentou os candidatos presentes da lista cujo primeiro nome é o de Helena Cardinali, com assinalável e reconhecida intervenção sindical, também o terceiro nome da lista para o executivo camarário.
Nessa lista, com idades entre os 23 anos e os 81 anos, com a média de 42 anos entre os 13 efectivos, estão 6 mulheres e 7 homens, e 6 são independentes de organizações partidárias.

A seguir, a primeira da lista para a Assembleia Municipal, Brígida Batista, fez uma intervenção em que, citando Sérgio Ribeiro, que é o segundo dessa lista, sublinhou a importância da democracia participativa, e adiante disse:
«(…)Fátima, com a sua especificidade e crescente importância no País e no mundo, tem uma dinâmica muito particular e única, potenciadora de desenvolvimento local, social e económico, torna mais evidente ainda a carência de um plano estratégico global, cuja falta está na origem de um Município dividido em dois, com necessidades que se duplicam e oportunidades desaproveitadas, que podiam beneficiar o conjunto e as populações.
«Fátima é uma realidade e um local diferente de outros. Mas é – também - um local onde vive e trabalha muita gente. Que merece toda a nossa atenção e que queremos bem representar e ajudar a fazer participar nos seus próprios destinos. Propomo-nos por isso como uma escolha DIFERENTE, como vêem o voto na CDU, nunca é um voto perdido, nunca é um voto em vão!
«O voto na CDU é um voto que reforça o lado participativo da democracia, é um voto no TRABALHO, HONESTIDADE E COMPETÊNCIA. O que não se afirma como um slogan ou demagogia, mas como maneira de estar na vida e na política.»
Depois, falou Helena Cardinali:
«…Fátima é um mundo. É também um mundo de trabalho, uma terra de muitos trabalhadores. Que têm os problemas de todos os trabalhadores e a que só unidos, solidários, podem procurar dar resposta.
«Sou trabalhadora. Sou sindicalista. E sei que há situações que são de todos os trabalhadores, sejam eles católicos ou não, só por serem trabalhadores. Porque há patrões que, sendo católicos ou não, sendo instituições religiosas ou não, são patrões e que, por isso, por vezes se “esquecem” das leis do trabalho.
«Somos trabalhadores. Somos sindicalistas. Apenas queremos defender os nossos direitos, que sempre tanto custaram a ganhar.
«Nestas eleições autárquicas, os trabalhadores têm de saber quem os defende, e têm de estar com esses. Como um simples gesto de defesa, ao lado dos outros trabalhadores, sem intenção de atacar ninguém.
«Eu estou com a CDU. De cara levantada e sem receios, sem medos. «Estou com a CDU. Porque estou com os que defendem o mesmo que eu. Que sou trabalhadora. Que sou sindicalista.
«Se no dia 1 de Outubro derem força à CDU... se no dia 1 de Outubro me derem força, no dia 2 de Outubro usarei essa força na Assembleia de Freguesia de Fátima para fazer – também ali! – o que procuro fazer em todos os sítios onde estiver: trabalhar com honestidade e competência, defender os meus direitos, os direitos dos trabalhadores e das populações em geral!»
Para terminar abriu-se um espaço de debate em que Brígida e Sérgio esclareceram aspectos relacionados com as eleições de 1 de Outubro.

_________________________________________________________